Antibiotics for preventing complications in children with measles

  • Review
  • Intervention

Authors


Abstract

Background

Measles is the leading killer among vaccine-preventable diseases; it is responsible for an estimated 44% of the 1.7 million vaccine-preventable deaths among children annually.

Objectives

To assess the effects of antibiotics given to children with measles to prevent complications and reduce pneumonia, other morbidities and mortality.

Search methods

We searched CENTRAL 2013, Issue 4, MEDLINE (1966 to May week 4, 2013) and EMBASE (1980 to May 2013).

Selection criteria

Randomised controlled trials (RCTs) and quasi-RCTs comparing antibiotics with placebo or no treatment, to prevent complications in children with measles.

Data collection and analysis

Two review authors independently extracted data and assessed trial quality.

Main results

Seven trials with 1263 children were included. The methodological quality of most studies was poor. Only two studies were randomized, double-blind trials. There was variation in antibiotics used, their doses, schedule and evaluation of outcome. Pooled study data showed that the incidence of pneumonia was lower in the treatment group compared to the control group. However, the difference was not statistically significant. Of the 654 children who received antibiotics, 27 (4.1%) developed pneumonia; while out of 609 children in the control group, 59 (9.6%) developed pneumonia (odds ratio (OR) 0.35; 95% confidence interval (0.12 to 1.01). The one trial that showed an increase in the rate of pneumonia with antibiotics was conducted in 1942 and compared oral sulfathiazole with symptomatic treatment. If the results of this trial are removed from the meta-analysis, there is a statistically significant reduction in the incidence of pneumonia in children receiving antibiotics (OR 0.26; 95% CI 0.12 to 0.60). The incidence of other complications was significantly lower in children receiving antibiotics: purulent otitis media (OR 0.34; 95% CI 0.16 to 0.73) and tonsillitis (OR 0.08; 95% CI 0.01 to 0.72). There was no difference in the incidence of conjunctivitis (OR 0.39; 95% CI 0.15 to 1.0), diarrhea (OR 0.53; 95% CI 0.23 to 1.22) or croup (OR 0.16; 95% CI 0.01 to 4.06). No major adverse effects attributable to antibiotics were reported.

Authors' conclusions

The studies reviewed were of poor quality and used older antibiotics. This review suggests a beneficial effect of antibiotics in preventing complications such as pneumonia, purulent otitis media and tonsillitis in children with measles. On the basis of this review, it is not possible to recommend definitive guidelines on the type of antibiotic, duration or the day of initiation. There is a need for more evidence from high-quality RCTs to answer these questions.

Resumo

Antibióticos para prevenir complicações em crianças com sarampo

Introdução

Todos os anos, 1,7 milhões de crianças morrem devido a doenças que poderiam ser evitadas por vacinas. Estima-se que o sarampo seja responsável por 44% dessas mortes. Portanto, o sarampo é o principal responsável por mortes que poderiam ser evitadas por vacina.

Objetivos

Avaliar, em crianças com sarampo, os efeitos de antibióticos para prevenir complicações e diminuir a pneumonia, outras morbidades e mortalidade.

Métodos de busca

Fizemos buscas nas seguintes bases de dados eletrônicas: CENTRAL 2013, Issue 4, MEDLINE (de 1966 até a quarta semana de maio de 2013) e Embase (1980 a maio de 2013).

Critério de seleção

Ensaios clínicos randomizados (ECRs) e quasi-ECRs comparando antibióticos a grupo controle recebendo placebo ou sem intervenção para prevenção de complicações em crianças com sarampo.

Coleta dos dados e análises

Dois autores da revisão, independentemente, extraíram os dados e avaliaram a qualidade dos estudos.

Principais resultados

Sete estudos com 1.263 crianças foram incluídos. A qualidade metodológica da maioria dos estudos foi baixa. Apenas dois estudos eram randomizados e duplo-cegos. Houve variação no tipo de antibióticos usados, na dose, nos horários e no método de avaliação do desfecho. A combinação dos resultados (metanálise)  dos estudos mostrou redução da incidência de pneumonia no grupo tratado comparado ao grupo controle. Entretanto, a diferença não foi estatisticamente significativa. No grupo tratado com antibióticos, 27 dentre 654 crianças desenvolveram pneumonia (4,1%) comparadas a 59 entre 609 crianças (9,6%) no grupo controle (odds ratio, OR, 0,35; intervalo de confiança de 95%, 95% CI, de 0,12 a 1,01). O único estudo que relatou aumento nas taxas de pneumonia no grupo tratado com antibióticos foi conduzido em 1942 e comparava sulfatiazol oral a tratamento sintomático.  Se esse estudo for excluído, a metanálise passa a ser estatisticamente significativa e mostra redução na incidência de pneumonia no grupo tratado com antibióticos (OR 0,26; 95% CI 0,12 a 0,60). O uso de antibióticos também produziu redução significativa na incidência de otite média supurativa (OR 0,34; 95% CI 0,16 a 0,73) e amigdalite (OR 0,08; 95% CI 0,01 a 0,72). Não houve diferença nas incidências de conjuntivite (OR 0,39; 95% CI 0,15 a 1,0), de diarreia (OR 0,53; 95% CI 0,23 a 1,22) e de crupe, também conhecida como laringotraqueobronquite (OR 0,16; 95% CI 0,01 a 4,06). Nenhum dos estudos relatou efeitos adversos graves atribuíveis aos antibióticos.

Conclusão dos autores

Os estudos incluídos na revisão foram de baixa qualidade e usaram antibióticos antigos. Esta revisão sugere um efeito benéfico dos antibióticos na prevenção de complicações como pneumonia, otite média supurativa e amigdalite em crianças com sarampo. Com base nesta revisão, não é possível formular recomendações específicas sobre o tipo de antibiótico que deve ser usado para crianças com sarampo, em que momento ele deve ser usado e qual deve ser a duração do tratamento. Para responder a essas perguntas, faz-se necessária mais evidência proveniente de ensaios clínicos randomizados de alta qualidade metodológica.

Notas de tradução

Tradução do Centro Cochrane do Brasil - Centro Afiliado Belém (Pedro Luis Iwasaka-Neder). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br

Plain language summary

Antibiotics for preventing complications in children with measles

Measles is an infectious disease caused by a virus. There is an effective vaccine which can prevent measles, nevertheless 30 to 40 million people worldwide still develop measles annually. Each year measles causes more than half a million deaths and is responsible for an estimated 44% of the 1.7 million vaccine-preventable deaths among children. Measles is associated with complications such as pneumonia, ear infections, throat infections, diarrhea and conjunctivitis.

Currently, the administration of two doses of vitamin A is recommended for the prevention of these complications in children below two years of age. Another method to prevent post-measles complications is to give antibiotics to children. The objective of this review was to assess the effects of antibiotics given to children with measles to reduce pneumonia, other morbidities and mortality. This review contains search results from May 2013 and included seven controlled clinical trials (1263 children), showed that children with measles who were given antibiotics had a lower incidence of pneumonia, ear infections and tonsillitis. However, there were no benefits for conjunctivitis or gastroenteritis. No major side effects attributable to administration of the study drugs were observed. As many of the studies were performed five decades ago with weak methodology using old antibiotics, there is a need for randomized controlled trials using newer antibiotics.

Resumo para leigos

Antibióticos para prevenir complicações em crianças com sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa causada por um vírus. Apesar de existir uma vacina eficiente para prevenir o sarampo, no mundo, todos os anos cerca de 30 a 40 milhões de pessoas desenvolvem sarampo. O sarampo causa mais de meio milhão de mortes anualmente e ele é responsável por 44% das 1,7 milhões crianças que morrem por doenças que poderiam ser evitadas se tivessem sido vacinadas. O sarampo está associado a complicações como pneumonia, infecções do ouvido (otite), infecções de garganta (amigdalite), diarreia e conjuntivite.

Atualmente, para evitar essas complicações nas crianças menores de dois anos de idade, recomenda-se dar duas doses de vitamina A. Outra maneira de prevenir as complicações pós-sarampo é administrar antibióticos à criança. O objetivo desta revisão foi avaliar os efeitos de antibióticos para prevenir pneumonia, outras complicações e a morte de crianças com sarampo. Esta revisão apresenta estudos publicados até maio de 2013 e inclui sete ensaios clínicos randomizados (1.263 crianças). A análise desses estudos mostrou que crianças com sarampo que receberam antibióticos tiveram menor incidência de pneumonia, otites e amigdalites do que aquelas que não receberam antibióticos. Entretanto, tomar antibióticos não preveniu conjuntivite ou gastroenterite. Não foi observado nenhum efeito colateral grave atribuível à administração dos antibióticos. Há necessidade de novos estudos porque muitos dos estudos incluídos nesta revisão são bastante velhos (foram feitos há mais de cinquenta anos), a metodologia deles é fraca e eles testaram antibióticos antigos e não aqueles que usamos na atualidade.

Notas de tradução

Tradução do Centro Cochrane do Brasil - Centro Afiliado Belém (Pedro Luis Iwasaka-Neder). Contato: tradutores@centrocochranedobrasil.org.br