SEARCH

SEARCH BY CITATION

Keywords:

  • Amazonia;
  • Brazil;
  • inundation forest;
  • leaf phenology;
  • reproductive phenology;
  • supra-annual;
  • tree mortality

ABSTRACT

Most phenological studies to date have taken place in upland forest above the maximum flood level of nearby streams and rivers. In this paper, we examine the phenological patterns of tree assemblages in a large Amazonian forest landscape, including both upland (terra firme) and seasonally flooded (várzea and igapó) forest. The abundance of vegetative and reproductive phenophases was very seasonal in all forests types. Both types of flooded forest were more deciduous than terra firme, shedding most of their leaves during the inundation period. Pulses of new leaves occurred mainly during the dry season in terra firme, whereas those in the two floodplain forests were largely restricted to the end of the inundation period. Flowering was concentrated in the dry season in all forest types and was strongly correlated with the decrease in rainfall. The two floodplain forests concentrated their fruiting peaks during the inundation period, whereas trees in terra firme tended to bear fruits at the onset of the wet season. The results suggest that the phenological patterns of all forest types are largely predictable and that the regular and prolonged seasonal flood pulse is a major determinant of phenological patterns in várzea and igapó, whereas rainfall and solar irradiance appear to be important in terra firme. The three forest types provide a mosaic of food resources that has important implications for the conservation and maintenance of wide-ranging frugivore populations in Amazonian forests.

RESUMO

A maioria dos estudos fenológicos em florestas tropicais foi feito em áreas acima do nível máximo da inundação dos rios. Neste trabalho nós examinamos os padrões de produção de folhas, flores e frutos numa paisagem amazônica, incluindo florestas de terra firme, várzea, e igapó. A abundância de fenofases vegetativas e reprodutivas mostrou-se bastante sazonal tanto nas florestas de terra firme quanto as sazonalmente inundadas. As florestas inundáveis eram mais decíduas do que as terra firme, deixando cair mais folhas durante o período de inundação. A emergência de folhas novas ocorreu principalmente durante o período de seca na terra firme, enquanto que nas florestas inundáveis isto foi mais restrito ao final do período de inundação. As florações foram concentradas durante o período de seca em todos os tipos de floresta e inversamente correlacionadas à pluviosidade. Florestas de várzea e de igapó concentraram sua produção de frutos durante o período de inundação, ao passo que a disponibilidade de frutos na terra firme coincidiu principalmente com o início do período de chuvas. Os resultados sugerem que os padrões fenológicos em todos os tipos florestais são em grande parte previsíveis e que o regime de inundação sazonal é o principal determinante dos padrões de fenologia na várzea e no igapó, ao passo que a precipitação e a radiação solar parecem ser importantes na terra firme. Na paisagem heterogênea do baixo Rio Purús, os três tipos de floresta fornecem um mosaico espaço-temporal de recursos para a fauna local, o que gera implicações importantes para a manutenção de populações de vertebrados frugívoros que requerem grandes áreas de vida na floresta amazônica.