SEARCH

SEARCH BY CITATION

Keywords:

  • dispersal limitation;
  • game harvest;
  • hunting;
  • large vertebrates;
  • meta-analysis;
  • population density;
  • seed dispersal;
  • tropical forests

ABSTRACT

Vertebrate responses to hunting are widely variable for target and nontarget species depending on the history of hunting and productivity of any given site and the life history traits of game species. We provide a comprehensive meta-analysis of changes in population density or other abundance estimates for 30 mid-sized to large mammal, bird and reptile species in 101 hunted and nonhunted, but otherwise undisturbed, Neotropical forest sites. The data set was analyzed using both an unnested approach, based on population density estimates, and a nested approach in which pairwise comparisons of abundance metrics were restricted to geographic groups of sites sharing similar habitat and soil conditions. This resulted in 25 geographic clusters of sites within which 1811 population abundance estimates were compared across different levels of hunting pressure. Average nested changes in abundance across increasingly greater levels of hunting pressure ranged from moderately positive to highly negative. Populations of all species combined declined across greater differences in hunting pressure by up to 74.8 percent from their numeric abundance in less intensively hunted sites, but harvest-sensitive species faired far worse. Of the 30 species examined, 22 declined significantly at high levels of hunting. Body size significantly affected the direction and magnitude of abundance changes, with large-bodied species declining faster in overhunted sites. Frugivorous species showed more marked declines in abundance in heavily hunted sites than seed predators and browsers, regardless of the effects of body size. The implications of hunting for seed dispersal are discussed in terms of community dynamics in semi-defaunated tropical forests.

RESUMO [ABSTRACT IN PORTUGUESE] 

Populações de vertebrados respondem direta ou indiretamente à pressão de caça de formas variáveis dependendo do histórico de caça e da produtividade primária de um determinado sítio florestal, assim como das taxas vitais de cada espécie. Neste trabalho apresentamos uma meta-análise exaustiva das mudanças nas densidades populacionais e outras estimativas de abundância de 30 espécies de maméferos, aves e répteis de médio a grande porte em 101 sítios de florestas neotropicas caçados ou não, mas por outro lado não sujeitos a um histórico de perturbação de habitat. O conjunto de dados analisados usa tanto uma abordagem não-encaixada, baseada em estimativas de densidades populacionais, quanto uma abordagem encaixada, onde comparações pareadas foram restritas a grupos geográficos de sítios de amostragem compartilhando das mesmas condições edáficas e de tipos de habitat. Isto resultou em 25 agregados de sítios de amostragem nos quais 1.827 estimativas de abundância populacional foram comparadas entre níveis distintos de pressão de caça. Desvios médios entre estimativas de abundâncias encaixadas ao longo de todo o gradiente de pressão de caça variaram entre moderadamente positivos a altamente negativos. Populaçoes de todas as espécies juntas diminuiram em até 74.8% nas áreas mais caçadas, em relação a áreas equivalentes mas pouco ou não-caçadas, enquanto que as espécies sensíveis à pressão de caça declinaram mais ainda. Das 30 espécies investigadas, 22 exibiram declíneos populacionais significativos nas áreas mais caçadas. O porte das espécies influenciou significativamente na direção e ordem de grandeza dos desvios de abundância, e espécies de grande porte apresentando uma taxa de rarefeção mais alta em áreas sobre-caçadas. Em relação aos predadores de semente e herbívoros terrestres, espécies frugívoras apresentaram declíneos ainda mais evidentes em áreas intensivamente caçadas, independentemente dos efeitos da massa corpórea. As implicações das atividades de caça para populações de vertebrados dispersores de sementes são ainda discutidas no que diz respeito à dinâmica de florestas tropicais semi-defaunadas.