SEARCH

SEARCH BY CITATION

Keywords:

  • collared peccary;
  • Euterpe edulis;
  • fruit scarcity;
  • Syagrus romanzoffiana;
  • tropical forest fragment;
  • white-lipped peccary

ABSTRACT

The goal of this study was to examine seasonal frugivory by two sympatric peccary species (Tayassu pecari and T. tajacu) in a small (2178 ha), Atlantic Forest fragment on the inland plateau region of São Paulo State, Brazil. Fruit availability was determined with systematic ground surveys conducted over a 5-yr period. Examining fruit availability trends for dry and wet seasons, we found that species diversity was greater in the wet season, but the total number and dry mass of fruits were higher in the dry season. Fruit abundance in the dry season was due to one palm, ‘jeriva’ (Syagrus romanzoffiana), which could be considered a keystone species at Caetetus Ecological Station as it also supported a diverse array of mammals, birds, reptiles, and insects. White-lipped peccaries were the only ungulates that ate palmito fruits (Euterpe edulis) at Caetetus. They consumed ripe and unripe fruits and predated the seeds by chewing the pulp and seed. This occurred primarily during the dry season and was associated with a seasonal range shift and a preference for palmito habitat by the white-lipped peccaries. The dominance of fruits in peccary diets (80% fruit items in scat) has management implications for other plateau forest fragments. Forest fragments with diminished fruit abundance or diversity, or lacking key species such as S. romanzoffiana or E. edulis, will not support the energetic requirements of the characteristically large and highly mobile white-lipped peccary populations.

RESUMO

O objetivo deste estudo foi examinar a sazonalidade na dieta frugívora de dois pecarídeos simpátricos, queixada (Tayassu pecari) e cateto (T. tajacu), em um fragmento pequeno (2178 ha) de Mata Atlântica no Planalto do Estado de São Paulo, Brasil. A disponibilidade de frutos foi estimada através de censos terrestres padronizados durante 5 anos. A análise da disponibilidade sazonal de frutos indicou que a diversidade de espécies de frutos foi maior durante a estação chuvosa. No entanto, foi durante a estação seca que observamos a maior abundância e peso seco dos frutos, fato que se deve à intensa frutificação do jerivá (Syagrus romanzoffiana) neste período. Esta palmeira pode ser considera espécie-chave na área de estudo (a Estação Ecológica de Caetetus) pois seus frutos foram abundantes durante períodos de escassez, e foram consumidos por mamíferos, aves, répteis e insetos. Em Caetetus, queixadas foram os únicos ungulados que consumiram frutos, tanto maduros quanto verdes, do palmito (Euterpe edulis), mastigando a polpa e a semente, tornando-a inviável. O consumo de palmito ocorreu principalmente durante a estação seca, e foi relacionado com uma mudança sazonal da área de vida e uma preferência estatísticamente significante de queixadas por habitats de palmito. A dominância de frutos na dieta de pecarídeos (80% dos itens registrados nas fezes) tem importantes implicações de manejo em outras áreas de fragmentos florestais na região do Planalto. Fragmentos com abundância ou diversidade de frutos reduzida, ou onde espécies-chave como o jerivá e o palmito estão ausentes, não irão preencher as necessidades energéticas de populações de queixadas, que são geralmente grandes e altamente vágeis.