SEARCH

SEARCH BY CITATION

Keywords:

  • Brazilian Amazon;
  • Chrysophyllum lucentifolium subsp. pachycarpum;
  • fruits;
  • lianas;
  • logging;
  • Sapotaceae

ABSTRACT

Information concerning the fruit production of timber species is important for the assessment of the effects of logging practices and for the improvement of harvesting techniques. We assessed the effects of stem diameter, crown illumination, and liana load on Chrysophyllum lucentifolium subsp. pachycarpum fruiting over a 3-yr period in areas subjected to conventional and reduced impact logging 10–13 yr prior to the study and within a control area, in the eastern Brazilian Amazon. We further used this data set to estimate the proportion of fertile trees harvested following the adoption of 90 percent harvesting intensity and two different minimum diameter cutting limits (MDCL). Liana presence on > 50 percent of the crown was associated with a decrease in the odds of fruiting. Therefore, liana cutting aiming to increase fruiting output should target only trees in such a condition. We found no significant effects of logging treatments and crown illumination on the odds of fruiting. The percentage of reproductive trees, frequency, and intensity of fruiting increased markedly for trees > 40 cm dbh. The proportion of fertile trees harvested following the adoption of 50 cm dbh MDCL is relatively low (13–15%) and therefore, this practice is likely to have a low direct impact on C. lucentifolium fruiting at the population level. However, even for a population with relatively small fertile individuals and low proportion of trees ≥ 50 cm dbh, the MDCL should not be < 50 cm dbh, unless a lower harvest intensity is adopted.

RESUMO

Informações sobre a frutificação de espécies madeireiras são importantes para a avaliação dos efeitos da exploração e para o aperfeiçoamento das práticas de manejo. Foi avaliado o efeito do diâmetro do tronco, iluminação da copa e presença de lianas sobre a frutificação de Chrysophyllum lucentifolium subsp. pachycarpum durante três anos em áreas submetidas à exploração madeireira convencional e de impacto reduzido 10–13 anos antes do estudo e em uma área controle, na Amazônia oriental Brasileira. Foi estimada ainda a proporção de árvores férteis derrubadas usando-se dois diferentes diâmetros mínimos de corte (DMC) e 90% de intensidade de exploração. A presença de lianas em > 50% da copa foi associada com uma diminuição da chance de frutificação. O corte de lianas visando o aumento da frutificação, portanto, deve ser feito apenas em árvores em tais condições. Não foram encontrados efeitos significativos da prática de exploração e da iluminação da copa sobre a chance de frutificação. A porcentagem de árvores férteis, freqüência e intensidade de frutificação aumentaram em árvores maiores que 40 cm de dap. A proporção de árvores férteis derrubadas utilizando-se um DMC de 50 cm seria relativamente baixa (13–15%) e essa prática, portanto, deve ter um baixo impacto direto sobre a frutificação de C. lucentifolium. No entanto, mesmo para uma população com indivíduos férteis relativamente pequenos e baixa proporção de indivíduos com dap ≥ 50 cm, o DMC não deve ser menor que 50 cm, a menos que uma intensidade de exploração menor seja adotada.