Integrative Study of Brazilian Anurans: Geographic Distribution, Size, Environment, Taxonomy, and Conservation

Authors

  • Luís Felipe Toledo,

    Corresponding author
    • Museu de Zoologia ‘Prof. Adão José Cardoso’, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Caixa Postal, Brazil
    Search for more papers by this author
  • Rômulo Fernandes Batista

    1. Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Centro Estadual de Unidades de Conservação (CEUC), Manaus, Amazonas, Brazil
    Search for more papers by this author

Corresponding author; e-mail: toledolf2@yahoo.com

Abstract

Most megadiversity regions lack basic wild animal diversity information such as species lists. This absence of basic knowledge restricts the development and effectiveness of conservation action plans, which are urgently needed for animal groups such as amphibians, the most threatened vertebrate group in the world. In this study, we estimated Brazilian anuran diversity based on species range distribution shapes and evaluated factors that likely affect species lists, such as current taxonomy knowledge, current number of specimens collected in each region, biome characteristics, and anuran size (snout–vent length). We were able to demonstrate differences among the distributional patterns of species within each biome and each Brazilian federative state and among certain factors that influence their diversity, such as latitudinal variation. In this integrative study, we provide zoogeographic information about the richest (in terms of anuran biodiversity) country in the world (at least 849 described species, about 60% of which are endemic), which may be fundamental to future conservation actions in Brazil.

Resumo

A maioria das regiões megadiversas do mundo carecem de informações básicas sobre as populações animais, tais como listas de espécies. Esta carência restringe a proposição de planos de ação para conservação de animais tão ameaçados como os anfíbios, o grupo de vertebrados mais ameaçado do planeta. Com isto em mente, nós realizamos um exercício para estimar a diversidade de anfíbios brasileiros baseado em machas de distribuição potencial de espécies disponíveis na internet. Adicionalmente, nós analisamos alguns fatores que podem interferir nas listas de espécies geradas, como por exemplo o conhecimento taxonômico atual, o número de indivíduos coletados e disponíveis nos museus, características dos biomas (como variação longitudinal e latitudinal) e dos anuros (como tamanho corporal). Nós demonstramos diferenças entre os biomas (no padrão de distribuição das espécies) e alguns fatores que influem na diversidade (como a variação latitudinal). Com esta análise integrativa nós provemos informação zoogeográfica sobre o país mais rico (em termos de biodiversidade de anuros) do mundo. Estes resultados enaltecem a utilização de análises integrativas (com uso de geografia, história natural e taxonomia) e podem ser utilizados como base para trabalhos futuros de conservação e biodiversidade.

Ancillary